24 maio 2007

A pantera

Rainer Maria Rilke

Seu olhar, de tanto percorrer as grades,
está fatigado, já nada retém.
É como se existisse uma infinidade
de grades e mundo nenhum mais além.

O seu passo elástico e macio, dentro
do círculo menor, a cada volta urde
como que uma dança de força: no centro
delas, uma vontade maior se aturde.

Certas vezes, a cortina das pupilas
ergue-se em silêncio. – Uma imagem então
penetra, a calma dos membros tensos trilha –
e se apaga quando chega ao coração.

Fonte: Rilke, R. M. 1993. Poemas. SP, Companhia das Letras. Poema originalmente publicado em 1907. Após o título, ostenta a indicação “No Jardin des Plantes, Paris”.

2 Comentários:

Blogger gongande disse...

Quem é o tradutor desse poema? É o José Paulo Paes?

19/10/07 23:35  
Blogger gongande disse...

Ah sim, o meu blog é
gongande.blog.uol.com.br

19/10/07 23:36  

Postar um comentário

<< Home

eXTReMe Tracker