30 março 2008

Vida, paixão e morte do Tiradentes

Henriqueta Lisboa

Entre rios e cascalhos
nasceu.
No berço das águas
cinco estrelas claras.

Ó infante, depressa,
as margaridas te esperam para a ciranda,
madrinha lua te espera para as vigílias.

Pejavam-se as nuvens, as nuvens fugiam,
cruzavam as tardes borboletas lentas.
Na sombra, setas oblíquas.

Antônia da Encarnação Xavier,
não deixes teu menino crescer.
Ele não terá pouso certo,
será chamado o corta-vento,
exalará o hálito da revolta,
perecerá de morte infamante.

Talos e vergônteas ríspidas cresciam.
Seivosas touceiras com frutos cresciam.

Mãe morta. Pai morto. Campo limpo.
O caminho do louco está livre.
A terra pertence ao louco,
a terra é um punhado de poeira na palma da mão do louco,
por entre abismos levita o louco,
as serras são trabalhadas pelo louco,
os rios são dirigidos pelo louco,
a imagem da Santíssima Trindade acena ao louco,
a brasa de Isaías queima os lábios do louco,
vai pelo mundo o louco apregoando a verdade!

As verdades como pedras
chovem pelo monte abaixo.
Cravejada de sementes
ergue-se a planície grávida.

Veio a tempestade, o incêndio,
a derrubada dos troncos.
Vai-se consumando aos poucos
o holocausto do cordeiro:

– Agora sei. Nenhum pouso
me prometia sossego.
As paredes da masmorra
não me poderão conter.

Nos socavões e nas grotas
dorme o ouro da madrugada.
Minhas algemas são de ouro
para servirem de aldrava.

Sinos de cristal ardente
acordarão a distância
“com os fios desse enredo
para daqui a cem anos.”

Céu azul, vejo-te ainda
nas orvalhadas da noite
através da pura gota
que meus olhos chorariam.

Do roxo de minhas pálpebras
não tarda a nascer a rosa
em cujo pequeno cálix
mal cabe o meu sangue todo.

Aurora da cor do sangue,
quantas rosas eu não dera
para que raiasses antes
que meu suspiro morresse.

Fonte: Lisboa, H. 2001. Melhores poemas. SP, Global. Poema originalmente publicado em 1952.

eXTReMe Tracker